DOENTES POR FUTEBOL
LEIA:

Histórias das Copas #9 – O único W.O.

Em 13 de março de 1938, a Alemanha ocupou e anexou a Áustria, no evento conhecido como Anschluss, um dos estopins para a 2ª Guerra Mundial. Com isso, era o final do Wunderteam que encantou o mundo durante a década.

anschluss IWM

No Anschluss, a Alemanha anexou a Áustria (Foto: IWM).

Assim, a Áustria, que vencera a Letônia nas Eliminatórias, não poderia disputar a Copa, por não mais existir como país na época da competição. A FIFA chegou a oferecer a vaga aos ingleses, que recusaram, e negou a classificação aos letões, preferindo deixar a Áustria na tabela, mesmo sem ela poder jogar.

Foi a primeira e única vez que uma seleção foi derrotada por W.O. em uma Copa do Mundo. Na Copa seguinte, algumas seleções desistiriam após o sorteio dos grupos, mas os jogos que as envolviam não são considerados como vencidos por desistência nas estatísticas oficiais das Copas.

Após o Anschluss, os principais clubes austríacos disputariam a liga alemã, não sem antes passar por uma “limpeza étnica” em seus dirigentes e jogadores. Em relação à seleção germânica, a ideia era montar uma equipe imbatível, incluindo os craques austríacos, excluídos os judeus.

Porém, alguns dos principais jogadores do Wunderteam recusaram-se a atuar pela equipe alemã. O craque Matthias Sindelar alegou lesões e idade avançada, mas na verdade sempre foi um opositor do nazismo. Outro que não atuaria seria Josef Bican, que após o Anschluss optou pela cidadania tcheca, não tendo disputado a Copa por problemas burocráticos.

Sindelar era o craque do Wunderteam (Foto: Reprodução)

Sindelar era o craque do Wunderteam (Foto: Reprodução)

Walter Nausch, capitão do Wunderteam, que havia ficado de fora da Copa de 1934 por contusão, também se negou a disputar a competição e teve que fugir com sua esposa judia para a Suíça. Nausch participaria da Copa apenas em 1954, como técnico da seleção austríaca.

Quatro remanescentes de 1934 foram aproveitados pelos alemães: Josef Stroh, Franz Wagner, Wilibald Schmaus e Rudolf Raftl. Além deles, os austríacos Wilhelm Hahnemann (9 partidas pela Áustria), Johann Mock (12 partidas), Leopold Neumer (2 partidas), Johann Pesser (8 partidas) e Stefan Skoumal (4 partidas) também atuaram pela seleção germânica.

Curiosamente, nenhum deles atuou nas duas Copas. Wagner fez quatro partidas pela Áustria em 1934, mas não atuou pela Alemanha em 1938. Stroh, Schmaus e Raftl, por outro lado, foram reservas durante a campanha de 1934, mas atuaram em 1938.

Em relação à participação naquela Copa, como não poderia atuar, a Áustria foi considerada desistente e perdeu por W.O. para a Suécia. Já o badalado time alemão apenas empatou com a Suíça em 1×1, sendo derrotado quatro dias depois, por 4×2, após abrir 2×0.

Mais: Logo após o Anschluss, o Fuhrer ordenou um jogo comemorativo entre os dois países, para “celebrar a reunificação”. Diz a lenda que era para a partida terminar empatada, mas o Mozart do Futebol (apelido de Sindelar, também conhecido como Homem de Papel) marcou um gol e comemorou de forma efusiva, na frente da tribuna onde estava Hitler. O jogo terminou em 2×0 para a Áustria



As palavras e ideias colocadas no texto são de responsabilidade do autor, e não necessariamente representam as ideias do site.

O site é formado por um conjunto de pessoas que pensam diferente entre si, e nasceu de uma comunidade do Orkut em que sempre se privilegiou o debate. Não faria sentido, neste outro espaço, ignorar o debate e falar de cima para baixo.

O Doentes por Futebol, como site, continua sendo um espaço de troca de ideias, como era e ainda é a comunidade Doentes por Futebol no Orkut e agora também no Facebook. Se você não concorda, discorde, argumente, mas não parta para a ofensa.

O campo de comentários é sua arma, use-a com precisão, não soltando disparos aleatórios.

Sergio Rocha é torcedor do Madureira e sempre teve o sonho de escrever sobre esportes em geral, embora tenha optado pela carreira de engenheiro civil. No "currículo", cadernos recheados de resultados esportivos e agendas da década de 90, quando antes da internet acessava rádios de diversos locais do país buscando os resultados esportivos do Acre à Costa Rica. Além de fanático por futebol, é fanático por praticamente todos os esportes, e no tempo livre que sobra sempre busca os últimos resultados esportivos do PGA Tour ou dos futures da ATP. Além disso, coleciona quadrinhos da Disney e é louco por astronomia.